Como cuidar do bebê recém-nascido em pleno verão?

Criança

Escrito por:

Os dias quentes do verão podem se tornar uma preocupação a mais para as mamães, especialmente as de primeira viagem. Afinal, já são muitas as novidades e desafios nas primeiras semanas do novo membro da família em casa. E o calorão ainda traz mais algumas dúvidas. Como cuidar do recém-nascido em altas temperaturas? E como protegê-lo das picadas de mosquitos e pernilongos como o Aedes aegypti — que transmite a dengue, a chikungunya e o zika vírus?

Neste artigo reunimos algumas informações para ajudá-la nos cuidados com a saúde do recém-nascido no verão e também dicas sobre como vesti-lo para que ele fique confortável, sem passar muito calor. Confira!

Cuidados com a hidratação

Recém-nascidos se desidratam com muita facilidade. Por isso, nos dias mais quentes é importante ter uma atenção especial com a hidratação dos pequenos. Altas temperaturas e ambientes com pouca circulação de ar podem fazer com que os bebês transpirem mais e percam mais líquidos, o que pode levar à desidratação.

Moleira funda, boca seca, urina escura e menor frequência de xixi indicam que o bebê está desidratado. Crianças que mamam no peito raramente se desidratam com o calor, mas é bom ficar atenta a esses sinais, pois a desidratação é muito perigosa para recém-nascidos.

Hidratação durante o aleitamento materno

Para os bebês que estão em aleitamento materno exclusivo — indicado até os seis meses de vida —, a recomendação é reduzir o intervalo entre as mamadas.

Recém-nascidos que mamam apenas no peito não precisam tomar água! Nos primeiros minutos da mamada, o leite é rico em água justamente para matar a sede do bebê. Em contrapartida, as mamães precisam tomar mais líquidos para atender às necessidades do pequeno e também não se desidratar.

Hidratação para os bebês que usam fórmulas

Se o seu bebê se alimenta com fórmulas (leites artificiais), fale com seu pediatra sobre a necessidade de dar água a ele, especialmente nos dias mais quentes. Alguns médicos defendem que a água usada no preparo desses leites já é o suficiente. Outros, no entanto, aconselham dar um pouco de água a mais para o bebê, já que as fórmulas contém sódio.

Dica: Descubra como identificar refluxo em bebê

Cuidados ao expor o recém-nascido ao sol

O sol é importante para a síntese de vitamina D, mas é necessário ter atenção especial com a exposição do bebê. Em geral, a recomendação é que os banhos de sol sejam dados a partir dos 15 dias de vida e por apenas 30 minutos por semana, nos horários com menor emissão de raios ultravioletas — antes das 10 horas da manhã e depois das 16 horas.

Se o bebê for sair ao sol, use chapéus e viseiras para proteger sua pele e seus olhos, que também são muito sensíveis à luz.

Cuidados com o uso de protetor solar

Bebês com menos de seis meses não podem usar protetor solar. Isso porque sua pele é muito sensível e absorve com facilidade o produto. Como o organismo da criança ainda é imaturo, seu sistema excretor não consegue eliminar os resíduos do protetor, o que causa intoxicação.

Após os seis meses, a estrutura da pele do bebê já é parecida com a de um adulto e ele pode usar o produto com segurança. A recomendação é usar protetores que tenham fator 15, no mínimo.

Cuidados com o uso de repelentes

Em tempos de denguezika e chikungunya é comum que os pais fiquem mais apreensivos para proteger o recém-nascido das picadas de mosquitos e outros insetos. No entanto, assim como o protetor solar, os repelentes não podem ser usados em bebês com menos de seis meses de vida.

A opção para proteger o pequeno é usar mosquiteiros no berço e telas nas janelas para evitar a entrada dos pernilongos.

O uso de repelentes elétricos não é consenso entre os médicos. Assim, antes de colocar um no quarto do bebê, converse com o pediatra.

Clique no banner abaixo e confira um guia para te ajudar nas primeiras semanas de vida do seu bebê.

Repelentes para bebês maiores de seis meses

Após os seis meses, os bebês podem usar repelentes, mas com moderação. Também é preciso ficar atenta ao tipo e concentração da substância que o produto contém. Repelentes com DEET e icaridina na concentração de 10% podem ser usados — já na concentração de 20% são tóxicos para as crianças pequenas.

O melhor é falar antes com o pediatra para que ele indique o melhor repelente e a concentração correta para a idade do seu bebê. Leia com atenção as instruções de uso antes de passar o produto na criança.

Cuidados com o ar-condicionado

Em cidades mais quentes, o uso do ar-condicionado é comum até mesmo nas residências. No entanto, quando há um recém-nascido em casa, o zelo com a limpeza do aparelho deve ser redobrado. O sistema respiratório do bebê ainda está em adaptação e todo tipo de poeira ou partículas podem irritar suas vias aéreas, causando alergias, rinites, bronquites e outras doenças respiratórias.

Mantenha a temperatura agradável, entre 23 e 24 graus, e evite expor o bebê às mudanças bruscas de temperatura. Se ele sair de repente do frio para o calor do dia, vai sofrer um choque térmico que pode causar um resfriado.

Cuidados com o uso de ventiladores

Ao usar ventiladores, opte pelos modelos que permitem colocar água nos compartimentos inferiores. Esse sistema ajuda a resfriar o ambiente e é mais eficiente do que o modelo tradicional. Não coloque o ventilador virado diretamente para o bebê, pois também pode causar choque térmico.

Cuidados com o guarda-roupa de verão do recém-nascido

Após algumas horas do nascimento, o recém-nascido já se adapta à temperatura ambiente e passa a perceber o calor e o frio da mesma forma que os pais. Assim, não é necessário agasalhar demais o pequeno. Em dias muito quentes, inclusive, isso pode levar à desidratação.

Os bebês podem e devem usar roupas de verão. Observe a temperatura e o comportamento do seu filho. Use roupas mais leves e de algodão, que são mais confortáveis, e se o tempo estiver muito quente pode deixar o pequeno apenas de fraldas, sem problemas.

Abuse dos bodies de mangas curtas, camisetinhas, shorts e deixe as perninhas destampadas. O uso de meias e sapatos durante o dia também são dispensáveis.

DicaAprenda como fazer o bebê dormir sozinho

Cuidados com a temperatura corporal do recém-nascido

Se o corpo do bebê estiver muito quente, pode ser sinal de que ele está com calor. Antes de se preocupar com uma febre, retire um pouco de suas roupas e veja se o corpo resfria.

Uma boa forma de saber se o bebê está muito ou pouco vestido é observar seu rosto. Se estiver avermelhado e suado, é um indicativo para colocar uma roupa mais fresca. Quando sentem calor, os bebês também podem ficar mais irritados, molinhos e sonolentos. Se a boquinha ficar um pouco mais arroxeada, ele está com frio e é bom agasalhá-lo um pouco.

É muito comum que as mãos e os pés dos recém-nascidos fiquem mais frios, mesmo nos dias quentes. Assim, o melhor é mesmo observar a temperatura corporal.

Gostou das nossas dicas sobre os cuidados com o recém-nascido durante o verão? Compartilhe com seus amigos em suas redes sociais!

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestDigg thisShare on TumblrShare on RedditShare on LinkedInEmail this to someone
  • Dra. Mariana Mader Pires de Castro

    (CRM: 876879RJ)
  • Graduação em Medicina pela Universidade Estácio de Sá;
  • Residência Médica em Pediatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
  • Residência Médica em Endocrinologia Pediátrica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
  • Certificado de Atuação na Área de Endocrinologia Pediátrica (CAAEP)- RJ;
  • Mestrado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Caro Leitor,

A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.