Conheça 5 benefícios de armazenar células-tronco

Células-Tronco

Escrito por:

A coleta de células-tronco para armazenamento em bancos específicos para esse fim é uma atividade que tem sido bastante procurada por famílias de todo o mundo, sendo hoje uma atividade presente em 86 países. A decisão de armazenar ou não as células do cordão é bem importante, pois só pode ser tomada durante a gravidez. Guardar essas células significa aproveitar uma oportunidade de poder oferecer mais opções terapêuticas no futuro.

O uso de células-tronco para tratamento de diversas doenças hematológicas é uma realidade na medicina há mais de 20 anos e, por outro lado, os estudos para o tratamento de doenças ainda sem cura utilizando essa células é uma das áreas de maior avanço na medicina, o que torna essa utilização cada vez mais próxima da realidade.

Vários são os benefícios de se armazenar as células-tronco do cordão umbilical do seu bebê, portanto, que tal conhecer algumas dessas vantagens? Confira!

Possibilidade de usar as células-tronco para tratar doenças

Existe uma grande chance de que qualquer pessoa precise de alguma terapia com a utilização de células-tronco ao longo da vida — especialistas acreditam que a probabilidade de uma pessoa precisar de um transplante de medula óssea é de uma a cada 217 indivíduos.

Esse número pode não parecer tão grande, mas a chance de que a criança tenha síndrome de Down por exemplo é de 1 para cada 461 nascidos vivos (para gestantes de 32 anos) e a de fibrose cística, uma das doenças detectadas pelo teste do pezinho, varia entre 1 em 3.200 a 1 em 31.000 dependendo da etnia. Essas chances são menores que a de precisar de um transplante de medula óssea ao longo da vida, mas que muita gente assume ser exatamente o contrário.

A célula-tronco do sangue do cordão é um material rico que pode ser usado no tratamento de mais de 80 doenças, incluindo leucemias, falências medulares e outras doenças hematológicas.

A coleta e armazenamento de células-tronco em bancos específicos é uma das maneiras de ter disponível mais uma fonte de células, caso seus filhos apresentem a necessidade de utilizar esse tipo de terapia ao longo da vida.

Aumentam a chance de encontrar um doador compatível

Quando comparadas às células-tronco da medula adulta, as células-tronco do cordão umbilical são mais imaturas e portanto, mais inumologicamente tolerantes, essa característica permite uma menor compatibilidade entre o doador e o paciente para que o transplante seja bem-sucedido. Além disso, as células-tronco do sangue de seu bebê são 100% compatíveis com ele próprio e têm até 25% de chance de compatibilidade com um irmão direto.

Soma-se a isto, mais um benefício importante: o fato de o sangue de cordão umbilical não ter sofrido exposição prolongada a fatores do meio ambiente e, uma vez armazenado, permanecerá livre de novas exposições.

Quando o uso dessas células for necessário, a disponibilidade deste material é imediata. Essa situação ajuda a reduzir o tempo de espera por doadores compatíveis no tratamento de alguma doença específica e pode melhorar o prognóstico do tratamento.

A coleta é indolor e segura

Um dos grandes benefícios do armazenamento das células-tronco em bancos especializados é que a técnica utilizada para coleta do material biológico é segura e indolor para a mãe e para o bebê. Na verdade, a coleta ocorre após o cordão ter sido clampeado e cortado e por isso, ela só lida com material que seria descartado pelo hospital: o cordão umbilical que sobra ligado à placenta após a retirada do bebê.

Normalmente, a coleta leva menos de cinco minutos e pode ser feita em qualquer tipo de parto, normal ou cesárea, desde que ocorram com mais de 32 semanas de gestação e que não haja qualquer complicação relacionada à saúde da mãe ou do bebê.

Por esse motivo é tão importante levar em consideração a prática do armazenamento das células do cordão umbilical de seu filho.

As células-tronco são alvo de muitos estudos para o tratamento de doenças atualmente sem cura

As pesquisas são animadoras em relação às células-tronco do sangue do cordão umbilical e envolvem o tratamento de paralisia cerebral, autismo, doença de Crohn, diabetes tipo 1, lúpus eritematoso sistêmico, esclerose múltipla, artrite reumatoide, infarto do miocárdio e muitas outras.

Já as células-tronco do tecido do cordão começaram a ser utilizadas pela ciência mais recentemente do que as do sangue, elas ainda não chegaram à prática médica, mas as pesquisas em diversos centros já vêm ocorrendo há mais de 10 anos para investigar o uso delas no tratamento de doenças extremamente comuns na nossa população, como diabetes tipo 1, diabetes tipo 2, complicações pós-transplante, cirrose hepática, infarto do miocárdio, esclerose lateral amiotrófica e lesões esportivas.

Armazenar as células-tronco do cordão umbilical do seu bebê é uma maneira de cuidar para que ele possa se beneficiar das descobertas da ciência no futuro, permitindo que certas doenças ganhem uma possibilidade de tratamento.

Coletar as células-tronco hoje pode facilitar autotransplantes no futuro

Algumas terapias utilizadas para o tratamento de doenças que necessitam do autotransplante de células-tronco podem ser facilitadas quando o armazenamento desse material biológico foi realizado previamente. Essas células podem também ser retiradas da medula óssea do próprio indivíduo a ser tratado.

As células-tronco do cordão funcionam, dessa forma, acrescentando alternativas terapêuticas à disposição da pessoa a ser tratada. Por estes motivos a coleta de células-tronco deve ser considerada como parte das decisões preventivas tomadas durante a gestação.

Conhecendo esses cinco benefícios do armazenamento das células-tronco do cordão umbilical, você acredita que essa técnica pode ser importante para você e sua família? Deixe seu comentário e conheça o trabalho da Cordvida!

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestDigg thisShare on TumblrShare on RedditShare on LinkedInEmail this to someone
  • Dra. Aline Miranda de Souza

    (CRM 129951/SP)
  • Graduação em Medicina – Universidade São Francisco, 2007;
  • Residência em Hematologia e Hemoterapia na FMUSP com aprimoramento em transplante de medula óssea;
  • Residência em Clínica Médica no Hospital do Servidor Público do Estado de São Paulo;
  • MBA Adm. Hospitalar – Centro Univ. S. Camilo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Caro Leitor,

A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.