Mudanças no corpo durante a gravidez: entenda o que acontece!

Gravidez

Escrito por:

A gravidez é, sem dúvida, um dos momentos que mais traz mudanças para o corpo da mulher. Além dos já esperados ganho de peso e crescimento da barriga, outras alterações acontecem ao longo dos nove meses que antecedem a chegada do bebê. Afinal, esse é um momento intenso de produção de hormônios, e gerar uma nova vida requer adaptações que seu organismo precisar atender à medida que o bebê cresce e você se prepara para o parto.

Muitos sintomas são desagradáveis e causam mal-estar, mas é possível conviver com eles e curtir sua gestação com mais leveza e alegria. É bom lembrar que nem todas as mulheres sentem esses desconfortos e o corpo pode reagir de forma diferente a cada gravidez. O importante é falar sempre com seu médico sobre qualquer sintoma que a incomode muito e nunca se automedicar.

Confira algumas mudanças no corpo que podem ocorrer durante a gravidez e veja como amenizá-las.

Enjoos, náuseas e azias

Os enjoos e as náuseas são muito comuns no primeiro trimestre da gestação devido à alta concentração dos hormônios progesterona, estrogênio e HCG. Cerca de 70% a 80% das gestantes vão apresentar esses sintomas até a 12ª semana da gravidez, normalmente pela manhã. Na maioria dos casos, eles desaparecem no início do segundo trimestre ou ao menos se tornam mais raros. Mas cerca de 10% das grávidas podem continuar enjoadas e nauseadas até a 18ª semana. Algumas mulheres vão sentir mal-estares leves, mas para outras os sintomas podem ser mais intensos e as náuseas podem ser acompanhadas de vômitos e um desânimo geral.

Em casos mais graves, a gestante desenvolve a hiperêmese gravídica, que são quadros de vômitos e náuseas tão frequentes que impedem a alimentação e a hidratação. Nesse caso, a futura mamãe pode precisar ser hospitalizada para receber nutrientes de maneira intravenosa e evitar problemas mais sérios.

Para amenizar os desconfortos das náuseas e enjoos, alimente-se logo que acordar e não fique muito tempo sem comer. O ideal é ingerir pequenas quantidades a cada três horas, intercalando as grandes refeições com frutas, iogurtes, castanhas, etc. Evite alimentos pesados e de difícil digestão, especialmente próximo à hora de dormir. Os hormônios da gravidez, principalmente a progesterona, deixam os movimentos gastrointestinais mais lentos, o que pode favorecer a ocorrência de azia e refluxo. Converse com seu médico se os enjoos forem muito fortes, ele pode receitar um medicamento para ajudar no alívio dos sintomas.

Constipação intestinal e hemorroidas

O aumento da produção de progesterona deixa os músculos mais relaxados ou frouxos para preparar o corpo para o crescimento do útero. Mas essa adaptação atinge também os intestinos, que acabam tendo mais dificuldade de manter o trânsito intestinal, o que pode causar constipação — também conhecida como prisão de ventre. O uso de suplementos de ferro também pode alterar o funcionamento intestinal.

A força que a gestante faz para conseguir defecar e o peso do bebê à medida que a barriga cresce pressiona os intestinos e, por isso, é comum nessa situação que as hemorroidas apareçam ou se agravem.

Para evitar esses desconfortos, coma mais alimentos ricos em fibras, como frutas, hortaliças e cereais integrais, e beba mais água. Manter-se bem hidratada vai facilitar a digestão, além de ser muito importante para a absorção dos nutrientes. Sempre que sentir necessidade, vá imediatamente ao banheiro, pois segurar pode piorar a prisão de ventre. Se necessário, seu médico pode indicar os banhos de assento para aliviar as dores das hemorroidas.

Aumento na produção de gases

Outro sintoma gastrointestinal que pode acontecer na gravidez é o aumento na produção de gases, especialmente nos primeiros três meses e no final. Eles podem ser bastante incômodos e virem associados a dores abdominais e constipação — além de serem constrangedores, dependendo da situação em que você está.

Evitar alimentos que aumentem a produção de gases e bebidas gaseificadas ajuda a aliviar o sintoma. Seu médico também pode prescrever medicamentos específicos que irão ajudar.

Problemas nasais

O aumento do fluxo sanguíneo e as alterações hormonais podem causar problemas nasais, como congestão e sangramento. Usar um umidificador de ar durante a noite, assoar o nariz com delicadeza e manter-se hidratada são algumas formas de evitar o quadro.

Em caso de congestão nasal, lave o nariz com soro fisiológico e evite o uso de descongestionante. Se for necessário usar, fale com seu médico antes para que ele recomende um produto indicado para grávidas. Se tiver hemorragias nasais fortes e frequentes ou associadas a ferimentos, comunique ao seu médico.

Varizes e formigamento nas pernas

O aumento do peso sobre as pernas e do fluxo de sangue no corpo também podem causar varizes, aquelas incômodas inflamações das veias que podem vir associadas à sensação de cansaço, dormência e formigamento das pernas.

Para prevenir as varizes, evite passar muito tempo sentada ou em pé. Sempre que possível, repouse as pernas de forma ligeiramente elevada e faça pausas a cada hora para se movimentar e estimular a circulação sanguínea. Caso haja recomendação médica, use as meias de compressão.

Mudanças na pele

Os hormônios da gravidez também podem trazer alterações na pele, como o melasma, que são manchas marrons que aparecem principalmente no rosto. Para evitar o agravamento do problema, use protetor solar mesmo nos dias mais frios, pois os raios solares podem deixar as manchas mais escuras e mais difíceis de tratar após a gestação.

A pele do rosto também tende a ficar mais oleosa, o que favorece o aparecimento de acne. Lavar o rosto com frequência vai reduzir a oleosidade, mas se as acnes forem muito incômodas marque uma consulta com o dermatologista para que ele indique produtos que possam ser usados na gravidez.

Ressecamentos e coceira na barriga e em outras partes do corpo também são comuns e o uso do hidratante é o mais indicado nesses casos. Algumas gestantes percebem ainda o aparecimento de uma linha escura que vai do umbigo ao osso púbico. Essa linha é chamada linha nigra e deve clarear após o nascimento do bebê, sumindo completamente.

Essas são algumas mudanças no corpo que você pode experimentar na gravidez. Para alguns desses sintomas, a prática de atividade física é uma forma muito eficaz de preveni-los e amenizá-los. Por isso, leia também nosso post sobre oito exercícios físicos que uma grávida pode e deve praticar!

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestDigg thisShare on TumblrShare on RedditShare on LinkedInEmail this to someone
  • Dra. Juliana Torres Alzuguir Snel Corrêa

    (CRM: 5279398-1)
  • Residência Médica em Ultrassonografia Obstétrica e Geral;
  • Ginecologia Infanto Puberal (criança e adolescente);
  • Atua como ginecologista obstetra há 12 anos.

2 Replies to “Mudanças no corpo durante a gravidez: entenda o que acontece!”

  1. […] a gestante a manter uma gravidez mais saudável, esclarecendo dúvidas sobre as inevitáveis mudanças no corpo materno, o crescimento e desenvolvimento do bebê, os preparativos para o parto e os cuidados no pós-parto […]

  2. […] a futura mamãe. Porém, junto com essa grande novidade chegam também as mudanças na vida e no corpo da mulher que podem trazer situações desconfortáveis e uma grande […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Caro Leitor,

A CordVida produz o conteúdo desse blog com muito carinho e com o objetivo de divulgar informações relevantes para as futuras mães e pais sobre assuntos que rondam o universo da gravidez. Todos os artigos são constituídos por informações de caráter geral, experiências de outros pais, opiniões médicas e por nosso conhecimento científico de temas relacionados às células-tronco. Os dados e estudos mencionados nos artigos são suportados por referências bibliográficas públicas. A CordVida não tem como objetivo a divulgação de um blog exaustivo e completo que faça recomendações médicas. O juízo de valor final sobre os temas levantados nesse blog deve ser estabelecido por você em conjunto com seus médicos e especialistas.